sábado, novembro 19, 2011

Agora é assim.


(Imagem: Google).

Agora é assim.

Você não presta e me alucina,
de um modo quente me ilumina,
por dentro e por fora me faz menina
e na cama sua vadia rainha.

E digo que já não quero,
você é canalha e me enrola,
embola nas minhas as pernas suas
e lá vou eu, atalho e pecado, boca aberta.

Perguntam se espero o seu conserto
e o que quero é seu concerto em mim.
Amo a bagunça dos nossos corpos
e sua malandragem ao abrir-me novas notas.

É verdade que espero amor e balanço,
mas tudo junto não consigo,
então fico com seu jeito canalha
de chegar sem pressa e sair sem vontade.

Daqui alguns anos irei quebrar tudo,
bater no vento, esmurrar palavras,
por enquanto aceito seu estilo,
depois, bem depois, alimentaremos peixes.

Há tempo para o tempo.

Eliane Alcântara.

Um comentário:

Geraldo Mendes disse...

"Você não vale nada, mas eu gosto de você!!!" kkkk

O ser humano é o único animal que se deixa permitir... Permita-se viver o intenso...

Meio perturbador seu texto...
Bjo...